CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

por Simone Gisele Fina

ÍNDICE
 Resumo …………………………………………………………………………… 2
 Introdução ……………………………………………………………………….. 3
 Definição de Terapia Cognitivo Comportamental – T.C.C. ……. 4
 Objetivo da Terapia Cognitivo Comportamental ………………… 4
 Definição de Terapia Dialética Comportamental – DBT …………. 5
 Objetivo da Terapia Dialética Comportamental …………………. 6
 Conclusão ……………………………………………………………………. 7
 Bibliografia …………………………………………………………………. 7

RESUMO

O presente artigo demonstra a importância da Terapia Cognitivo Comportamental e da Terapia Dialética Comportamental como duas ferramentas para o tratamento de transtornos psiquiátricos e prevenção de recaídas e/ou crises , pois são duas ferramentas cientificamente comprovadas com técnicas fundamentadas para que se possa usar para atravessar os períodos de crises e para enfrentar desafios do dia a dia com coragem renovada.
Palavra Chave: Terapia, Cognitivo, Dependência, Tratamento, Comportamental, Dialética

INTRODUÇÃO

A terapia cognitivo-comportamental ajuda muito as pessoas a identificar as situações do dia a dia ou mesmo de sua história passada que prejudicaram sua recuperação e, principalmente, a manutenção de sua saúde mental. Na terapia o paciente aprende a identificar situações e pessoas que acionam emoções desgastantes e improdutivas, como a raiva, a fúria ou o estresse agudo ou crônico, e desenvolverá novas formas de pensar e de agir diante do que lhe desperta fragilidade, medo e insegurança, aprendendo a achar uma saída sem se desesperar ou sofrer em demasia. Muitas vezes a raiva e o estresse são provocados por fatores externos: no trabalho, por conflitos familiares ou conjugais, mas também podem ser despertados por fatores internos, os pensamentos, estando relacionados a uma maneira inflexível e perfeccionista de lidar com expectativas ilusórias ou inalcançáveis.
A psicoterapia também ajuda o paciente na construção de um modo mais otimista de ver e viver a vida, o que deverá ser aceito pelo paciente como um instrumento transformador e praticado com boa vontade e determinação.
A terapia dialética comportamental é um programa desenvolvido por Linehan (1987) para o tratamento de transtorno de personalidade Borderline, mas é muito útil e usada no tratamento de transtorno de uso de substancias psicoativas, como também em transtornos recorrentes do uso de substancias psicoativas; neste programa o treinamento de mindfulness no início do treino de habilidades sociais, uma das partes essenciais deste programa.
O que compõe as habilidades a serem treinadas no programa de mindfulness são: observar, descrever, atenção plena, não julgar estar no presente sem julgar, apenas observando para depois sim agir de forma efetiva estando em acordo com seus valores e objetivos a serem alcançados. Linehan (1993) apresenta os três modos deste programa: mente emocional, mente racional e mente sábia a serem trabalhados com as habilidades no decorrer do programa com atividades em grupo ou individual.

DEFINIÇÃO DE TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENTAL

A palavra cognitivo diz respeito à maneira pela qual percebemos e raciocinamos o nosso universo interior e o mundo ao nosso redor. A abordagem Cognitiva visa melhorar a autoimagem, bem como a visão do mundo das pessoas que se dispõem à prática dessa técnica. Como muitos transtornos estão ligados a estados depressivos, o terapeuta ajuda o paciente a identificar seus pensamentos negativos, os motivos que o levam a se ver como um fracassado ou como uma pessoa má, sendo merecedora de tanto sofrimento em sua vida, bem como ajuda o paciente a verificar sua legitimidade. A partir de então o terapeuta ensina o paciente a questionar seus pensamentos e sentimentos interrompendo assim o ciclo automático de negatividade que retroalimenta a sua baixa autoestima.
Já o termo Comportamental refere-se à maneira como uma pessoa se comporta diante das solicitações do cotidiano. Na abordagem comportamental, o terapeuta ensina o paciente como deve agir para evitar as ações que alimentam seus pensamentos e suas emoções negativas sobre sí mesmo e as demais pessoas.
A maneira pela qual nos relacionamos com as pessoas, com nosso trabalho, com nossos desafios, problemas, frustações, perdas afetivas, erros pessoais, amores desamores, enfim, com as emoções e os sentimentos que tudo isso nos desperta e a maneira como agimos perante tudo isso.

OBJETIVO DA TERAPIA COGNITIVO CORPOTAMENTAL

Se lembrarmos que o cérebro é capaz de “refazer” quando novas formas de pensar e de agir são recorrentemente praticadas, vamos entender de maneira cristalina que a terapia cognitivo-comportamental funciona como
uma “ginástica cerebral” que tornará o cérebro “mais forte e apto” ao enfrentamento das situações geradoras de estresse, medo e ansiedade.
A psicoterapia cognitivo-comportamental mostra eficácia inquestionável ao desenvolver habilidades específicas que não só minimizam os transtornos mentais como diminuem as chances de futuras recaídas quando o paciente segue afinco suas técnicas.

TERAPIA DIALÉTICA COMPORTAMENTAL – DBT

Este programa foi desenvolvido anteriormente especificamente para pacientes com transtorno de personalidade borderline que apresenta variações de humor bruscas por mudanças radicais entre a idealização e a desvalorização de outros nos relacionamentos íntimos e significativos nos padrões de relacionamentos interpessoais, que são na maioria das vezes caóticos, como também por instabilidade e fragmentação da percepção de sí, na filosofia dialética de Linehan (1993) conceitos como bom, mau, inadequado ou adequado são comparáveis a fotografias instantâneas que representam momentos arbitrariamente escolhidos de um processo dinâmico que não se deixa categorizar em termos tão unipolares. Por esta razão esta terapia tem sido muito útil na prevenção de recaída para adictos, crises em transtornos de personalidade borderline, crises de mania e de depressão em pacientes bipolares, outros tipos de transtornos como a esquizofrenia, depressão, ansiedade, etc.
Representando nas habilidades desenvolvidas neste programa terapêutico a construção do meio termo, sem precisar abrir mão de sentimentos contraditórios, mas genuínos, sem abrir mão das posições fortes e sem tentar controlar ou reprimir sentimentos intensos.

OBJETIVO DA TERAPIA DIALÉTICA COMPORTAMENTAL

O objetivo é praticar e vivenciar a mente sábia ou caminho do meio como se refere na filosofia budista.
Tendo acesso a mente sábia, a pessoa será capaz de acolher conteúdos adversos ao invés de fugir ou se esquivar deles e com a diminuição da esquiva vivencial, sentimentos e pensamentos adversos se tornam mais toleráveis. Assim cria-se uma relação mais amistosa com conteúdos negativos e aumenta-se a capacidade de entrar em contato plenamente com os sentimentos.
Com essas habilidades, pode-se aprender a entender quando, como e em que circunstância o paciente terá emoções e pensamentos negativos que uma vez detectados os motivos, será possível agir sobre as causas e com isso a pessoa também se conhecerá melhor e se dará melhor consigo mesma e passa a se respeitar mais como também a respeitar mais os outros.
Mais do que uma técnica de meditação, a atenção plena ou mindfulness é um estilo de vida que consiste em estar aberto à experiência presente, observando seus pensamentos sem julgamentos, críticas ou elucubrações.
Ao tomar consciência daquilo que sente o paciente se torna capaz de identificar sentimentos nocivos antes que eles ganhem força e desencadeiem um fluxo de emoções negativas; que é o que faz as pessoas se sentirem estressadas, irritadas e frustradas.
A Terapia Dialética Comportamental em suas habilidades de atenção plena ou mindfulness veio para trazer exercícios e meditações diárias que vão ajudar os pacientes a se libertarem das pressões cotidianas e a se tornarem mais compassivos consigo mesmos ao lidar com as dificuldades de forma mais tranquilas e ponderadas. Dentre as habilidades da terapia dialética comportamental encontramos habilidades de atenção plena, habilidades de tolerância ao mal estar, habilidades de efetividade interpessoal e habilidades de regulação emocional.

CONCLUSÃO

A suposição é uma crença que não pode ser provada, mas que a maioria das pessoas concordam em obedecer a ela.
As pessoas procuram fazer o melhor que podem e a maioria quer melhorar as suas vidas e serem felizes, mas não estão motivados à mudança e delegam ao outro responsabilidades que na verdade são suas. O fato de que alguém está fazendo o melhor que pode e quer fazer ainda melhor não significa que é o suficiente para resolver o problema.
Todos os comportamentos ( ações, pensamentos, emoções) são causados pelas pessoas mesmo quando não sabem as verdadeiras causas pela falta de autoconhecimento. Para descobrir as causas dos comportamentos próprios é necessário auto conhecimento que poderá vir através de terapia cognitivo comportamental ou de terapia dialética comportamental, as quais os profissionais da área se utilizam de técnicas cientificamente comprovadas para ajudar os pacientes a se conhecerem melhor e assim poder mudar a sí mesmo para que todo o seu externo seja modificado; Albert Einstein já nos dizia que não obteremos resultados diferentes fazendo as mesmas coisas e que isso seria insanidade.
Nosso comportamento será modificado devido a reforma interior através de auto-conhecimento, adquirindo novos conceitos, reformulando pré-conceitos e se libertando de julgamentos e culpas com mais autocompaixão e amor próprio com a ajuda de profissionais especializados em terapia cognitivo comportamental e terapia dialética comportamental.

BIBLIOGRAFIA:
Biaggio, Ângela M. Brasil – Psicologia do Desenvolvimento
BUCHELE, F.; MARCATTI, M.; RABELO, D. R.. Dependência química e prevenção e recaída, [s.n] Florianópolis, 2004.
Williams, Mark e Penman, Danny – Atenção Plena – Mindfulness, como encontrar a paz em um mundo frenético.
MURAD, J. E.. Como enfrentar o abuso de drogas. Belo Horizonte: O lutador [S.l.:s.n],1994.132 p.
SZUPSZVNSKI, K. P. D.R; OLIVEIRA, M. S. O. Modelo Transteórico no tratamento da dependência química. Psicologia: Teoria e Prática. Porto Alegre, 2008. P. 162-173.
Sifneos, Peter – Psicoterapia Dinâmica Breve, avaliação e técnica-1989- Tradução: Alceu Edir Fillmann (médico e psicólogo)
Bucher R. A abordagem preventiva. In: Bucher R, organizador. As drogas e a vida. São Paulo: Pedagógica e Universitária; 1988. p. 55-68.
Costa ACLL, Gonçalves EC. A sociedade, a escola e a família diante das drogas. In: Bucher R, organizador. As drogas e a vida. São Paulo: Pedagógica e Universitária; 1988. p. 47-54.
Escohotado A. O livro das drogas: usos e abusos, preconceitos e desafios. São Paulo: Dynamis; 1997.

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn