CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

ALUNO:

 

 

WANIA MARIA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Rio de Janeiro

 

2018

 

 

RESUMO

 

 

Setembro é o mês mundial de prevenção ao suicídio. Setembro Amarelo é uma campanha de prevenção ao suicídio, iniciada em 2015.

  • uma iniciativa do Centro de Valorização da Vida (CVV) do Conselho Federal de Medicina (CFM) e da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP). O mês de setembro foi escolhido porque, desde 2003, o dia 10 de setembro é celebrado o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio. O objetivo é promover eventos que abram debates e divulguem o tema, alertando a população sobre a importância de se aprofundar nesse assunto e mostrar que existe prevenção em mais de 90% dos casos, segundo a OMS.

 

Origem da cor: Em 1994, um americano de 17 anos se suicidou dirigindo seu carro amarelo. Foram distribuídas em seu funeral cartões com fitas amarelas com mensagens de apoio para pessoas que estivessem enfrentando o mesmo desespero do rapaz. As mensagens se espalharam pelo mundo e seus pais iniciaram a campanha de Prevenção ao Suicídio da fita amarela.

 

 

 

INTRODUÇÃO

 

 

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 800 mil pessoas se suicidam por ano no mundo.

O suicídio é um fenômeno complexo, que pode afetar indivíduos de diferentes origens.

 

  • uma mistura de fatores biológicos, genéticos, psicológicos, sociais, culturais e ambientais.

 

  • considerado um problema de saúde pública e estima-se que dez a vinte milhões de pessoas tentarão por fim a sua vida nos próximos anos.

Saber reconhecer os sinais de alerta é de fundamental importância para a prevenção. Existem sinais que devem ser atentamente observados, tais como, isolamento social, abuso de drogas lícitas e ilícitas, mudança brusca de humor, automutilação. Os fatores socioeconômicos também podem estar relacionados, perda de emprego, dificuldade financeira, agressões, etc.

Para alguns especialistas existem indícios que podem indicar vulnerabilidade, a maioria das pessoas que cometem o suicídio, em algum momento expõem o pensamento sobre o ato. Elas não queriam morrer de fato, sendo comum o arrependimento após a tentativa. O individuo não quer terminar com a vida, ele quer terminar com a dor.

 

 

O Dr. Jorge Jaber, especialista em dependência química constatou que aumentaram as tentativas de suicídio entre adolescentes brasileiros que fazem uso de drogas. “Uma em cada quatro pessoas que tentaram se matar ingeriram alguma droga. Entre os adolescentes esse percentual sobe e está relacionado ao álcool e a maconha.”

Por isso, uma campanha baseada na prevenção ao uso de drogas e ao suicídio tem um papel de importância fundamental nesse aspecto.

A Clínica Jorge Jaber, no dia 8 de setembro, realizou o Setembro Amarelo, a Campanha de Prevenção ao Suicídio, com palestras, ginástica e interação entre pacientes, familiares e alunos do curso de terapeutas em Dependência Química.

 

 

 

OBJETIVO

 

 

Conscientização sobre a prevenção do suicídio, a melhor forma para prevenir é através de diálogos e discussões sobre o tema.

 

As ações de prevenção visam sensibilizar a população e os profissionais de saúde para os sintomas desse problema.

Para muitos o suicídio não é visto como um problema de saúde pública, mas uma espécie de fraqueza de conduta.

 

 

 

DESENVOLVIMENTO

 

 

O suicídio é considerado um problema de saúde publica e mata 1 brasileiro a cada 45 minutos e 1 pessoa a cada 40 segundos em todo o mundo. Pelos números oficiais são 32 brasileiros mortos a cada dia, taxa superior as vítimas de AIDS e Câncer. Desse número, pelo menos o triplo tentou tirar a própria vida. Esse assunto, apesar de tão chocante, ainda é um tabu, o que aumenta o numero dos casos.

 

O Ministério da Saúde reforça ações de prevenção ao suicídio:

 

  • Lançamento de Agenda de Ações Estratégicas para a vigilância e prevenção ao suicídio e promoção da saúde no Brasil 2017-2020;

 

  • Ampliação do Acordo de Cooperação Técnica com o CVV (Centro de Valorização da Vida);
  • Materiais direcionados aos profissionais de saúde, população e jornalistas;

 

 

  • Até 2020, pretende ampliar e fortalecer as ações de promoção à saúde, vigilância e atenção integral relacionados ao suicídio por meio de construção do Plano Nacional de Prevenção ao Suicídio.

 

 

 

CONCLUSÃO

 

 

Saber agir e prevenir. Compromisso, sensibilidade, conhecimento, preocupação com o outro ser humano e crença de que a vida é um aprendizado que vale a pena, são os principais recursos que os profissionais de saúde, amigos, familiares têm.

 

O indivíduo não quer terminar com a vida, mas sim terminar com a dor. Atarefa mais importante para essas pessoas é ouvi-las com serenidade e tratar com respeito.

Existem 4 passos importantes para ajudar uma pessoa sob risco de suicídio:

 

  • Converse: Encontre um momento apropriado e um lugar calmo para conversar. Ouça a pessoa com a mente aberta e sem julgamentos. Você também pode indicar a linha sigilosa para apoio emocional 188 (gratuita em todos os estados brasileiros);

 

  • Acompanhe: Fique em contato para acompanhar como a pessoa está se sentindo e o que está fazendo;
  • Busque ajuda profissional: Incentive a pessoa a procurar ajuda profissional e ofereça-se para acompanhá-la a um atendimento em Unidades Básicas de Saúde;

 

  • Proteja: Se há perigo imediato, não a deixe sozinha e assegure-se de que a pessoa não tenha acesso a meios para provocar a própria morte (pesticidas, armas de fogo, medicamentos, etc).

 

  • Ligue: Para apoio emocional, ligue gratuitamente para 188. Para emergências, ligue para 192 (Hospitais e Pronto Socorro)

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


 

 

  • saúdegov.br.SVS

 

  • portalms.saudegovbr

 

  • https://www.cvv.org.br

 

  • https://www.minhavida.com.br

 

  • Clínica Jorge Jaber
CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn