CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

fonte: revista Quem

Elza Soares será a madrinha do Alegria Sem Ressaca 2019. O bloco de Carnaval, que faz prevenção ao abuso de álcool e outras drogas, é promovido pelo psiquiatra especialista em dependência química Jorge Jaber há 16 anos. Neste ano, o grupo desfila na orla de Copacabana, no dia 17 de fevereiro, às 9h.

O objetivo do Alegria Sem Ressaca é mostrar que ninguém precisa beber para se divertir. Elza conta que tinha motivos para abraçar o bloco. “Sou traumatizada porque meu pai, meu ídolo, era alcoólatra e eu brigava muito com ele para ele parar de beber. Depois, meu amado Garrincha, pessoa linda, adorável, um homem que sabia amar e fazer uma mulher feliz, foi consumido pelo álcool. A pessoa perde totalmente a identidade. É uma droga fácil de ser adquirida e pode ser até pior que as ilícitas. Tenho muito medo do álcool. Sem beber, a gente se diverte e vê tudo o que acontece a nossa volta!”, diz.

A cantora conta que chegou a recusar cachê polpudo para fazer propaganda de uma cervejaria. “Com álcool, não se brinca”, diz a cantora, que decidiu retomar sua alma carnavalesca neste ano. Além do bloco, ela vai ser a rainha do baile Glam Gay, de Milton Cunha, e também será destaque no carro abre-alas da Mocidade Independente de Padre Miguel, depois de oito anos fora da avenida.

Nascida em Padre Miguel, quando o bairro ainda se chamava Moça Bonita, ela foi a primeira mulher a puxar samba na Marquês de Sapucaí — para o Salgueiro, campeão de 1969 com Baía de Todos os Deuses –, já deu duas vitórias puxando samba para sua escola do coração, e agora volta no carro abre-alas.

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn