Society for Research in Child Development, 23/07/2004

Desde que a epidemia de uso de cocaína e crack começou nos anos 80, pesquisadores e médicos têm se preocupado com o desenvolvimento dos filhos. Nós acompanhamos 83 crianças expostas à cocaína e 63 não expostas e os cuidados proporcionados desde o nascimento até a criança completar 2 anos. Aos 2 anos, 49 das crianças expostas à cocaína permaneceram com os seus pais, enquanto 34 foram para os cuidados de outros adultos. Destas 34 crianças, cerca da metade ficou sob cuidados de parentes e o restante com indivíduos sem parentesco com a criança.

Foi constatado que a exposição pré-natal à cocaína não está diretamente relacionada ao desenvolvimento da criança até os 2 anos. Entretanto, foi verificado que as crianças retiradas de seus pais, especialmente aquelas que ficaram sob cuidados de adultos que não eram seus parentes, tiveram ambientes melhores do que aquelas sob cuidados de parentes e obtiveram melhor rendimento em diversas áreas de desenvolvimento.