Aluna: Vania S. Marciano

Resumo:

O álcool é uma verdadeira devastação, pois torna à pessoa marginalizada.

O alcoolismo é uma doença crônica não tem cura, progressiva de terminação fatal.

Não  havendo tratamento adequado, a recuperação fica distante.

O consumo de bebida alcoolica é um fator de risco confirmado pela ciência para vários tipos de doenças malignas e um fator de risco potencialmente modificável.

 

O álcool  causa depressão do seu sistema nervoso central, (cérebro e medula espinhal) desacelera as funções vitais resultando em fala ininteligível. É incluído em uma das duas grandes categorias de drogas psicoativas, a das drogas depressoras do sistema nervoso

 

Palavras-chave:  Alcoolismo

 

 

Introdução

Efeitos indesejados

Intoxicação aguda, diplopia, torpor, tristeza, incordenação motora, letargia, hipotensão arterial, agressividade e depressão.

Efeitos nutricionais

Deficiência vitamínica, hipoglicemia, desequilíbrio hidroeletrolíticos.

Aparelho digestivo: Esofagite, gastrite, câncer, cirrose, varizes esofagiana, pancreatite crônica.

Sistema nervoso: Encefalopatia hepática, síndrome de Wernecke-korsakoff, lesões cerebelares, atrofia cerebral.

Sistema Muscular Esquelético: Miopatias.

Sistemas Cardiovascular: Hipertensão, cardiomiopatia.

Sangue: Anemia, trombocitopenia.

Nomes Populares: Birita, Chachaça, Goró, Cana, Cobertor de pobre, Boa, Mel,crioula e bagaceira.

 

Sabe-se que, o risco de início do uso de substancia de abuso se deve a fatores psicossociais e a instalação da dependência química a fatores neorobiológicos.

O Consumo de álcool aumenta quatro vezes a chance do indivíduo desenvolver depressão , seja pelas consequências sóciais /profissionais decorrentes de seu consumo.

DSM-Iv- Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações Mentais

Cid.10-/F10 – Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde. Trantornos mentais e comportamentais decorrente ao uso de álcool.

Tipos de álcool – Etílico (Etanol) Utilizado para bebidas alcoolicas.

O teor alcoólico comum de álcool das seguintes bebidas é:

Cerveja 2–6% de álcool
Cidra 4–8% de álcool
Vinho 8–20% de álcool
Tequila 40% de álcool
Rum 40% ou mais de álcool
Conhaque 40% ou mais de álcool
Gim 40–47% de álcool
Uísque 40–50% de álcool
Vodca 40–50% de álcool
Licores 15–60% de álcool

Além do etanol, são encontrados, nas bebidas alcoólicas, outros produtos de sua maturação ou fermentação, como metanol, butanol, aldeídos, ésteres, histaminas, fenóis, ferro, chumbo e cobalto, que são, em grande parte, responsáveis pela diferenciação de sabor entre os tipos de bebidas.

Como consequência de sua alta solubilidade em água, o etanol cai rapidamente na corrente sanguínea, de onde é distribuído para a maioria dos órgãos e sistemas.

O álcool substância psicoativa com propriedades que causam dependência química, tem sido amplamente utilizado  e é responsável pela maior parte das doenças existente em nosso país.

O alcoolismo altera a capacidade de pensamento, não há cura conhecida ela é progressiva piora a cada dia é fatal mata desmoralizando o indivíduo.

Cerca de 15% da população mundial tem uma tendência a apresentar esse problema.

World Health Statistic. 2018.

Agressões ocorrem três vezes mais em casas onde a bebida está presente; em 83% das ocorrências, é o principal motivo.

Considerado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como uma verdadeira epidemia, a ingestão excessiva de álcool é a terceira causa de mortes no mundo, atrás somente do câncer e das doenças cardíacas. Contudo ainda não existe ações para o dia Nacional sem álcool.

 

Alcoolismo é um dos problemas que afetam a vida social e familiar.

É importante pensar que a ingestão de bebidas alcoolica é um fator de risco modificável que pode ser alvo de intervenções preventivas através de politicas públicas e por instituições privadas especialmente na mídia envolvendo rádio, tv, jornais, revistas panfletos educativos, sites sobre saúde e também é possível diminuir os riscos de doenças devido ao consumo de álcool através de atitudes individuais.

 

Desenvolvimento

Em meados do século XVI na Europa, as bebidas alcoólicas estavam sob o domínio exclusivo da medicina.

O Império Inca central, grande parte de seu sistema sociorreligioso em uma planta: a coca.

Surge o consumo recreativo do álcool.

Em 1500 d.C. a incidência do uso de substâncias psicoativas aumentou consideravelmente.

É possível reconhecer as linhas distintas dos padrões modernos de uso e abuso. (AMARAL DIAS, 1980).

A presença cada vez mais acentuada de bebidas alcoólicas na rotina dos adolescentes brasileiros é preocupante, não só devido a todos os fatores já referidos, mas sobretudo devido à estreita relação entre a idade de início do consumo e o desenvolvimento de patologia aditiva. Isto é, quanto menor é a idade em que é iniciado o consumo, maior é a probabilidade de se desenvolverem comportamentos dependentes em relação à substância .

O uso de álcool e outras drogas acompanha a trajetória do homem desde sempre. O consumo dessas substâncias adquiriu características de epidemia, sobretudo a partir das décadas de 1950 e 1960, obrigando os diferentes países a criarem legislações e medidas não apenas para travar sua produção e tráfico, mas também para prestar assistência ao número preocupantemente crescente de pessoas dependentes de tais substâncias.

 

Uma overdose de álcool provoca efeitos depressores muito mais graves, como: incapacidade para sentir dor, intoxicação, fazendo com que o organismo vomite a substância tóxica e por fim leva à inconsciência, ou ainda pior, pode causar coma ou a morte devido a uma overdose grave. Estas reações dependem da quantidade ingerida e de quão rápido o álcool é ingerido.

Fase 1 – Adaptação ou lua de mel

Fase 2 – Tolerância ou limiar da doença, necessidade de doses maiores.

Fase 3 – Síndrome de abstinência ou fundo do poço.

Como prevenir os vícios.

Conhecer o perfil de uma população é de suma importância já que assim é possível sugerir e programar ações para melhor atendimento.

A maioria dos vícios, tem seu início na fase juvenil e na adolescência. Por isso os esforços preventivos devem ser focalizados nessa faixa etária. Desde os primeiros anos de escola. As crianças devem receber instruções sobre as drogas licitas e ilícitas.

Como principio todas as escolas e outras instituições de ensino deveriam ser declaradas áreas livres de drogas, adotando medidas para evitar que se transformem em centros de tráfico e iniciação à droga.

Os pais das crianças e jovens tem também responsabilidade na prevenção.

Devem falar sobre o problema, adotando as seguintes estratégias.

– Ajudar a desenvolver uma autoestima saudável aos filhos.

– Manter o lar seguro e estável.

– Demonstrar flexibilidade nas opiniões e condutas, mas com limites bem definidos.

– Dar exemplo no que se refere aos vícios.

As autoridades também tem um papel importante na educação contra os vícios e em favor da saúde total, programas atrativos e sugestivos, uso de precauções legais (por exemplo, rótulos indispensáveis nas bebidas alcoólicas, e normas que regulam a venda e distribuição, etc.

 

Como vencer os vícios

Está comprovado que o alcoolista não consegue abandonar o vício sozinho.

Ele precisa de apoio social, profissional e espiritual.

Se já foram feitas muitas tentativas para deixar o vício, deve-se insistir com o dependente para que procure um centro de reabilitação.

– Apoie o plano estabelecido pelo centro ou profissional qualificado. Confie no tratamento e incentive a pessoa.

– Evite a superproteção . É uma grande tendência proteger as pessoas que amamos, mas nessas circunstâncias é necessário  manter firmeza no que se refere ao tratamento.

– Recompense as vitórias, pois o dependente precisa de reforços externos para alcançar novos objetivos. Podem ser alimentos, filmes, passeios, jogos, livros, visitas, etc, de acordo com a preferencia e as circunstâncias .

– Prepare um ambiente calmo saudável e adequado e procure por todos os meios manter o dependente distante dos espaços facilitadores do vício (locais, pessoas, objetos.), pois os estímulos podem leva-los a uma recaída.

Os grupos de apoio tem demonstrado ser excelentes métodos de superação.

Os Alcoólicos Anônimos (AA).  deve-se em parte ao apoio humano demonstrado pela experiência de ex-dependentes.

Os grupos de apoio tem alcançado grande êxito durante décadas. Os fundamentos principais são confiança em um Deus de amor como principal autoridade e fonte de poder: sobriedade total como meta; compromisso de ajudar pessoas que queiram abandonar seus vícios; e confidencialidade entre os participantes.

Após alcançar a vitória, a luta não acaba, pois o risco de recaída é altíssimo. Por isso, é importante planejar cuidadosamente o retorno à normalidade, observando os seguintes itens.

Emprego – O reabilitado precisa de um novo emprego, com novos companheiros e com firme propósito de se adaptar, sem fazer mudanças.

Ambiente social – O reabilitado precisa também, durante um período prolongado de alguém que continue observando com atenção e firmeza seu ambiente. Deve-se relacionar com pessoas que saibam desfrutar a vida sem fazer uso de bebidas alcoólicas.

Lazer – O tempo livre é o mais perigoso para a recaída e deve ser planejado, cuidadosamente, incluindo exercícios físicos, atividades ao ar livre, esportes. Evitando sempre bares, salões de jogos e outros ambientes em que a vontade possa ser estimulada.

Vida Espiritual – O componente espiritual também é fundamental na reintegração. A vida de vícios deve pertencer ao passado e a pessoa precisa começar uma nova vida. A culpa que é comum nos dependentes, encontra perdão em Deus

Os programas escolares devem ter espaço para palestras e seminários com ex-dependentes, médicos, advogados, psicólogos, policiais, assistente sociais etc.

 

TRATAMENTO DO ALCOOLISMO

Realizado por equipe especializada, multidisciplinar

– Sem Internação (Ambulatorial)

– Com Internação (Voluntaria ou Involuntária)

O melhor tratamento Para a Patologia Dual se dá quando unidos à atenção ao consumo da substancia envolvida e o transtorno mental.

Objetivos:

Abstinência Total.

Reformulação é preciso reconstruir tudo o que a doença te tirou.

Agregação não pode se isolar é fundamental a socialização evitando os antigos caminhos.

 

1 – BEBA ÁGUA.

O corpo é formado 70% de água, portanto fica claro que repor constantemente a água que perdemos é uma atitude que representa saúde e longevidade. A água limpa o organismo e elimina as impurezas do sangue.

A cada hora, o volume do sangue do corpo passa pelos rins dez vezes para ser purificado.

Benefícios da Água.

Quando você bebe água suficientemente, seu corpo seu corpo se sente bem e envia um sinal positivo ao cérebro, isso ajuda a melhorar o bom humor e, consequentemente, a produtividade. Quando o estomago recebe água, é prolongada a sensação de saciedade. Além disso, é bom lembrar que água, é prolongada a sensação de saciedade, além disso, a água não contém calorias, gorduras, carboidratos nem açúcar, substituindo com muita vantagem bebidas com alto teor calórico como o álcool, os refrigerantes e sucos industrializados.

A água ajuda a fortalecer o sistema de defesa do corpo,. Fortalecido ele pode lutar melhor contra as doenças.

Quando você bebe pouca água- O seu corpo cansa rapidamente, a água elimina rejeitos  que podem prejudicar o organismo. Além disso, quando você ingere pouca água o coração precisa trabalhar mais para bombear o sangue.

2 – TOME BANHO DE SOL.

Os raios solares exercem múltiplos efeitos sobre o corpo humano. Eles ajudam a combater bactérias e outros micro-organismos. A ação antisséptica é produzida pelos raios ultravioleta.

Ação Bactericida – Eliminando diversos micro-organismos. Por isso ajudam a desinfetar e cicatrizar as feridas superficiais.

Nos ossos – Ajudam a sintetizar a vitamina D nas células da pele. Essa vitamina favorece a assimilação do cálcio ingerido com os alimentos, contribuindo decisivamente na formação e bom estado dos ossos.

Exercícios físicos.

Incluir exercícios físicos sempre que a saúde do paciente permitir.

O equilíbrio químico e hormonal produzido pelos medicamentos farmacêuticos também pode ser conseguido ou complementado com o esporte e a atividade física.

Praticar Esportes desde a infância reduz consumo de álcool na fase adulta.

 

Conclusão

Sobre a questão de que beber vinho faz bem ao coração estudos concluíram que a verdade é que as uvas e por consequente o vinho tem uma substancia chamada resveratrol que diminuem um tipo de colesterol que pode se acumular nas paredes dos vasos sanguíneos e no limite causar obstruções e doenças cardiovasculares, o problema é que esse benefício só é alcançado se o consumo for em uma quantidade muito grande de vinho e os malefícios desse hábito seriam muito grande, a vantagem se tornaria pequena diante de tantos malefícios.

Não há vantagem alguma bioquímica  no hábito de beber o máximo que o consumo moderado pode trazer são eventuais benefícios sociais.

 

Referências Bibliográficas

https://www.mundosemdrogas.org.br/drugfacts/alcohol.html

Livro Ronaldo Laranjeiras-( Resumo)

Livro Alcoolismo Jorge Antônio Jaber Filho e Charles André. (introdução)

https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5391:tema-do-dia-mundial-da-saude-de-2017-depressao-e-debatida-por-especialistas-em-evento-na-opas-oms&Itemid=839