Raphael Gomes de Souza

 

RESUMO

A pesquisa busca apresentar e discutir a validade do modelo de tratamento de Minnesota, criado nos Estados Unidos na década de 1950. Suas abordagens serviram para desenvolver programas de reabilitação para alcoolismo e outras drogas no mundo. Esses modelos estruturam a atmosfera terapêutica para oferecer apoio profissional e orientação necessária para alcançar os objetivos do tratamento. É uma abordagem integral e multidisciplinar, orientada para a abstinência e baseada nos princípios dos Doze Passos. O princípios de Alcoólicos Anônimos (AA) e Narcóticos Anônimos (NA) são inspirados no modelo. O modelo defende o conceito de doença sem cura, mas com recuperação, contanto que o paciente adira às propostas do programa. O objetivo geral do presente projeto é discutir o modelo de Minnesota e sua aplicabilidade no AA.

Palavras-chave: Alcoolismo. Usuário. Álcool. Saúde Mental. Patologia.

 

 

INTRODUÇÃO

 

O interesse em tornar o Método de Minnesota conhecido é devido à total ignorância do Método no campo do tratamento medicamentoso usado no país, quando, no entanto, é geralmente usado em muitos países ao redor do mundo desde a década de 1950 (HAZELDEN FOUDATION; 1993).

O objetivo geral é explicar e informar com base em pesquisa e documentação e, acima de tudo, fornecer dados para ajudar na luta para encontrar soluções para a angústia particular daqueles que sofrem com a escravidão às drogas.

Os objetivos específicos são descrever o método e discutir a sua aplicabilidade terapêutica.

As razões para tornar este método conhecido baseiam-se na crença e na confirmação de sua eficácia. Para começar, por causa da natureza integral do tratamento, que é algo que não existe no atual ambiente de pesquisa em dependência de drogas. A falta de coordenação entre os recursos para ajudar a luta contra o vício desumaniza o que deveria ser um tratamento individual e contínuo e claramente personalizado. Esta lacuna que pode ser vista é dada, principalmente por razões econômicas que não permitem a construção de sinergias entre setores, que  acusam a papelada como perda de tempo, sendo na verdade o registro tão importante para as oportunidades de quem espera receber um tratamento para deixar medicamentos (HAZELDEN FOUDATION; 1993).

É um fato comprovado que aqueles que têm o poder econômico para ir a um centro privado se beneficiam dos resultados positivos de sua aplicação, enquanto muitos têm que renunciar a eles devido à falta de recursos suficientes. A precariedade de recursos sociais torna difícil a aplicação de um método como este nos serviços públicos de saúde, mas seria bom para estabelecer uma padronização do tratamento de dependentes de álcool para o método Minnesota.

Com este propósito procedemos à descrição do mesmo. Diferentes aspectos clínicos do atendimento terapêutico com pacientes dependentes do uso de substâncias são apresentados ao longo do trabalho. Refere-se ao trabalho em clínicas especializadas de tratamento, a intervenções psicoterapêuticas individuais e em grupo, ao modelo assistencial de Minnesota e aos diferentes níveis terapêuticos.

 

2 TRAJETÓRIA HISTÓRICA

 

Antes da década de 1950, havia apenas um breve período de desintoxicação médica e / ou internação em um hospital psiquiátrico como atendimento ao alcoólatra. Além disso, faltavam recursos materiais, havia poucos profissionais que queriam trabalhar e poucos eram treinados para ajudar alcoólatras. O modelo de tratamento surgiu da chamada “Experiência de Minnesota”. É a aparência, entre 1948 e 1950 de três centros de tratamento pioneiro para o alcoolismo no estado de Minnesota, EUA: Pioneer House, Hazelden e Hospital Estadual de Willmar, que continua com um trabalho clínico constante para desenvolver e avaliar este modelo abrangente de atenção ao viciado (EDWARDS; MARSHALL; COOK, 2015).

A Hazelden Foundation distingue-se pela divulgação de pesquisas e observações do trabalho clínico, e pelo ensino e publicação de documentação relevante no campo dos vícios. A “Experiência de Minnesota” foi baseada em conceitos novos e revolucionários, criando uma verdadeira filosofia de intervenção, radical, controversa naquela época (HAZELDEN FOUDATION; 1993).

O modelo de reabilitação Minnesota é intensivo, de curta duração, e está na vanguarda em termos de conhecimento atual para tratamentos de todos os tipos de doenças viciantes. O modelo permite que o paciente não saia de seu ambiente, bem como a incorporação precoce às suas atividades em um curto espaço de tempo, características que são de grande benefício para o usuário, sua família e a sociedade.

No momento em que o modelo começa, apesar de não ser capaz de estabelecer uma relação entre o vício e condição física ou psiquiátrica, foi sugerido que deve haver consistência entre considerar o alcoolismo uma doença e não a pessoa responsável por isso (HAZELDEN FOUDATION; 1993).

A implicação de que o paciente não é culpado e sua consequência terapêutica tem sido fundamental para o modelo de Minnesota. Para os precursores do método, é essencial trabalhar primeiro com o vício. Caso contrário, a recuperação de transtornos psiquiátricos ou a modificação bem-sucedida de problemas sociais e / ou físicos é perdida. Por outro lado, ajudar alguém a aceitar e enfrentar honestamente o vício e não ajudá-lo a lidar com outros problemas incapacitantes da vida resultaria em fracasso (EDWARDS; MARSHALL; COOK, 2015).

As consequências associadas ao vício foram agrupadas em multifacetadas, físicas, psicológicas, sociais e espirituais, sendo o tratamento a intervenção direta no processo primário. Essa era a ideia radicalmente nova, especialmente para profissionais que aprenderam que o vício sempre foi um sintoma de alguma situação subjacente (EDWARDS; MARSHALL; COOK, 2015).

O modelo concentra-se no crescimento espiritual, na dignidade da pessoa e defende o conceito de doença sem cura, com cuidados contínuos na recuperação. Os objetivos que se propõe alcançar são: recuperar o adicto para reinseri-lo na sociedade, em vez de envolvê-los ou ignorá-los; trate-os com dignidade e ajudar a recuperar-se fisicamente, mentalmente e espiritualmente (FERNÁNDEZ-LLIMÓS; FAUS, 2005).

Para o modelo, o conceito de doença é defensável do ponto de vista lógico e útil no nível terapêutico. A anatomia do viciado pode ser comparada com a de outras doenças “legítimas”. Também trata a dependência química como uma doença porque faz sentido clínico: defende o tratamento humanitário para pessoas dependentes, melhora o acesso ao tratamento e promove a abstinência (FERNÁNDEZ-LLIMÓS; FAUS, 2005).

A dependência química deve ser tratada como uma doença primária. Primário refere-se à natureza do vício como uma entidade patológica separada de outros estados fisiopatológicos que podem estar associados. Primário refere-se à dependência química não é um sintoma de outro processo patológico subjacente. O modelo visa atingir dois objetivos de longo prazo, de um lado, o de abstinência total das drogas e o segundo, de uma melhor qualidade de vida. Para atingir objetivos de longo prazo, trabalhamos com os objetivos de curto prazo que são ajudar a pessoa viciada e sua família a reconhecer a doença e as conseqüências que ela traz (JABER FILHO; ANDRE, 2002).

Ajudar a pessoa a admitir que está doente e precisa de ajuda, e se convencer de que pode viver uma vida construtiva com a realidade de uma doença que não tem cura. Ajudar a pessoa a identificar quais são os comportamentos e / ou defeitos que ela tem que modificar para ter uma melhor qualidade de vida.

 

3 PRESSUPOSTOS BÁSICOS DO MÉTODO DE MINNESOTA

 

3.1 Sinais E Sintomas Do Alcoolismo

 

É comum a negação do alcoolismo entre os próprios alcoólatras, médicos, amigos e familiares, pelo menos por um período prolongado. E isso é um problema em si. Para identificar o problema, existem sinais e sintomas quase idênticos, independentemente da origem demográfica, da personalidade e da heterogeneidade sociocultural das pessoas. Pensou-se que os critérios diagnósticos tinham que ser unificados e foi apontado que todos os alcoólatras bebem excessivamente, independentemente da forma de beber, da periodicidade ou da classe social a que pertencem (ALCOÓLICOS ANÔNIMOS, s-d).

Além disso, o álcool é prejudicado por todas as pessoas e a maioria das pessoas continua a beber por anos, mesmo que sua vida se torne complicada e perca a qualidade.

 

4 A ESTRUTURA DO PROGRAMA DE TRATAMENTO

 

Até a década de 1950 não havia um programa estruturado, mas um procedimento curto com protocolos médicos de desintoxicação. A ideia desenvolveu que o tratamento deveria ter um programa progressivo, assim como o alcoolismo era considerado uma doença progressiva e crônica com diferentes fases. Decidiu-se que o foco do modelo seria o cuidado e não a cura. O objetivo: ajudar o viciado a aprender a viver com sua condição crônica. A filosofia básica do programa adotou os conceitos do Programa dos Doze Passos de Alcoólicos Anônimos (AA). A confiança no valor do AA veio principalmente de uma série de visitas informais a membros da comunidade e proeminentes líderes do AA no estado de Minnesota (ALCOÓLICOS ANÔNIMOS, s-d).

Profissionais não viciados queriam conhecer e aprender com os membros de AA para acessar sua maneira de pensar e personalidade do viciado. Esta facilidade de acesso foi dada pela experiência de profissionais que conheciam os ex-viciados tenham vivido no seu corpo o que sentiram e este lhes proporcionou maior capacidade de empatia.

Pensou-se que para alcançar objetivos terapêuticos, seria melhor se os pacientes vivessem em um espaço clínico. Decidiu-se criar um ambiente estruturado com uma série de atividades organizadas para que os pacientes estimulassem mudanças comportamentais. O tratamento foi pensado para ser curto e intensivo para produzir uma mudança rápida. O objetivo seria desenvolver estratégias para ajudar cada adicto a modificar o estilo de vida viciante (ALCOÓLICOS ANÔNIMOS, s-d).

A equipe em que se pensava tinha que ser multidisciplinar. Tudo começou com um grupo de equipamentos psiquiátrico hospital, médicos, assistentes sociais, psicólogos, enfermeiros, sacerdotes e alguns alcoólicos em recuperação foram incluídos. Estes últimos foram integrados para atuar como “conselheiros”. Sua tarefa era aproximar e escoltar os pacientes, comunicar a filosofia do AA e ser um modelo de recuperação a seguir pelos pacientes. A influência das estratégias de comunicação nos grupos e conselhos de AA foi fundamental no desenvolvimento do programa.

Conselheiros em recuperação serviram para liderar grupos baseados em tarefas. Identificando-se com os pacientes, eles puderam obter sua confiança para que pudessem dar respostas honestas. O objetivo das reuniões do grupo era ajudar a resolver problemas pessoais relacionados ao alcoolismo. Foi em um ambiente de grupo, altamente estruturado e orientado para a tarefa, alguns pacientes podem escapar à sua principal problema muito tempo (ALCOÓLICOS ANÔNIMOS, s-d).

Pronto foi que alguns pacientes foram capazes de ajudar uns aos outros. Informalmente, pequenos grupos não estruturados são formados, sem um líder. Surpreendia o fato de pessoas doentes poderem se ajudar em alguns aspectos, sem ajuda profissional. O paciente foi emancipado de uma tradicional relação passivo-dependente com o profissional.

Sem a influência de administração de AA eu não tinha encontrado que quando um grupo de companheiros de sofrimento se reúnem em uma estruturada para compartilhar seu ambiente crônica e problemas comuns, ocorrem mudanças positivas.

Pessoas que não podem ajudar a si mesmos, às vezes, podem se ajudar mutuamente. Outra de influências benéficas de AA era aprender o procedimento das suas reuniões em seus aspectos didáticos. Nos grupos de autoajuda, os antigos membros ensinam os novos. Eles vão assistir e ouvir palestras curtas e explicações sobre compreensão e experiência pessoal dos Doze Passos do A. A (ALCOÓLICOS ANÔNIMOS, s-d).

Como resultado desta descoberta, uma série de palestras para pacientes foi desenvolvida. De fato, as conferências se tornaram a espinha dorsal do programa. Uma razão para a eficácia desta abordagem educativa pode ser associada com o anonimato de proteção de palestras em sala de aula. Neste ambiente, os pacientes podem reconceitualizar sua própria situação sem medo de exposição a outros pacientes ou equipe profissional e, especialmente, sem medo de ter de fazer revelações pessoais ou embaraçosas porque uma das regras é que não há diz que não transcenda esse espaço.

 

4 FASES FUNDAMENTAIS DO TRATAMENTO

 

O tratamento pode ser resumido em termos de um processo dinâmico sequencial ou como um programa de três fases sistemáticas relacionadas (ALCOÓLICOS ANÔNIMOS, s-d):

 

  1. Aceite impotência sobre drogas: O primeiro objetivo do tratamento, uma vez que o processo de desintoxicação e avaliação diagnóstico é para ajudar o paciente a admitir e aceitar que é impotente perante o álcool ou outras drogas que alteram o humor. Nesta fase, ele ajuda a aceitar o fato de que a vida se tornou incontrolável por causa do vício. É o primeiro dos Doze Passos da filosofia de AA e é uma tentativa de quebrar a negação.
  2. Reconhecer a necessidade de mudança: Agora o paciente é ajudado a reconhecer que é vital para mudar seu comportamento para a sobrevivência. Devemos transmitir a ele que ele tem a capacidade de fazer mudanças. Outro aspecto importante é ajudar o paciente a ver que a estrutura do programa, a rotina básica para realizá-lo, é o veículo para, em seguida, faça as alterações. O período de detenção é o tratamento, a recuperação será alcançada depois de colocar em prática o que foi aprendido no programa. O paciente é introduzido no SHG, AA ou NA, como uma ferramenta essencial para o trabalho para executar a recuperação.
  3. Plano para agir: O terceiro objetivo do tratamento é ajudar o paciente a agir, tomar decisões e alterar os comportamentos que precisam mudar. O objetivo é apoiar o paciente. Ele começa a visualizar o que vai precisar e ser capaz de fazer mudanças em seu estilo de vida.

 

5 CUIDADOS CONTÍNUOS

 

O Modelo de Minnesota tornou-se parte integrante do grau em que foi capaz de estabelecer uma rede de serviços essenciais, onde o tratamento faz parte dos cuidados continuados. O paciente deixa o tratamento preparado para a próxima fase, com um plano para trabalhar em sua recuperação. Fica em contato para receber apoio de uma rede de atendimento organizada pelo centro de tratamento. A maioria dos pacientes retorna diretamente ao ambiente anterior, com a recomendação de se juntar ao grupo AA ou NA em sua localidade ou outro grupo de referência (JABER FILHO; ANDRE, 2002).

Outros transferem-se para uma “casa intermediária”, onde continuam a receber tratamento, integram-se em sua vida profissional e transferem-se para cuidados psicológicos ou médicos especializados. Em Minnesota, foi possível verificar que existe uma relação entre o número de pessoas recuperadas e o desenvolvimento da extensão da rede de atenção contínua (JABER FILHO; ANDRE, 2002).

 

6 CRITÉRIOS DE INDICAÇÃO DE COMUNIDADE TERAPÊUTICA

 

Atualmente, a prestação de serviços de assistência a toxicodependentes é relativamente ampla, variada e bem conhecida. A escolha do contexto e da modalidade de intervenção deve basear-se nas demandas de um plano de tratamento, nas necessidades do paciente e nas características dos serviços disponíveis. A priori, os pacientes devem ser tratados no ambiente menos restritivo possível com relação ao acesso a substâncias e outros comportamentos de risco, que têm a maior probabilidade de serem seguros e eficazes. As decisões sobre o local de tratamento devem levar em consideração (JABER FILHO; ANDRE, 2002):

– Desejo e capacidade do paciente de cooperar e se beneficiar do tratamento.

– Sua necessidade de estrutura, apoio e supervisão para se manter seguro e longe de atividades e ambientes que promovam o uso e abuso de substâncias.

– A necessidade específica de tratamentos para comorbidades médico-psiquiátricas.

– Necessidade de tratamentos específicos ou uma intensidade de tratamento disponível em ambientes específicos e

– A preferência por um dado tratamento.

Os pacientes devem ser encaminhados de um nível de atenção para outro com base nesses critérios e na avaliação clínica da disposição do paciente e na possibilidade de se beneficiar de um nível mais baixo de assistência.

Estudos comparando os benefícios relativos de diferentes modalidades de tratamento apresentam vários problemas metodológicos derivados da heterogeneidade das amostras e tipos de programas, altas taxas de abandono, diferentes resultados, etc. No entanto, alguns critérios podem definir a indicação de tratamento em uma comunidade terapêutica para problemas de abuso ou dependência de drogas (JABER FILHO; ANDRE, 2002).

 

CONCLUSÕES

 

A condição de ex-dependentes dos terapeutas é positivamente valorizada. A toxicodependência é reconhecida como uma doença. A terapia é importante pra o tratamento. O envolvimento da família no tratamento é fundamental. É muito importante a localização no mesmo centro de todos os processos do tratamento. A mudança de hábitos é fundamental para a reabilitação e o acompanhamento no centro após o tratamento evita recaídas. A abstinência é o objetivo de acabar com o vício e todos os pacientes experimentam uma mudança positiva e radical e recomendam o tratamento.

 

REFERÊNCIAS

 

ALCOÓLICOS ANÔNIMOS. Sobriedade. [Versão  electrônica]  Retirado de  http://www.aasobriedade.org/modules.php?name=Conteudo&pid=7. Acesso em novembro de 2018.

 

EDWARDS, G., MARSHALL, E., COOK, C. O tratamento do Alcoolismo: Um guia para profissionais da Saúde. São Paulo꞉ Editora Artmed, 2015.

 

FERNÁNDEZ-LLIMÓS F, FAUS MJ. From drug-related problems to “negative clinical outcomes. Am J Health Syst Pharm 2005; 62(22): 2348-50.

 

HAZELDEN FOUDATION. The Evolution of the Multidisciplinary Approach to Addiction Recovery – The Minnesota Model. Minessota꞉ Jerry Spicer, 1993.

 

JABER FILHO, Jorge A. , ANDRE, Charles. Alcoolismo. Editora Revinter, 2002.

[1]