FÁBIO AUGUSTO FERREIRA MARQUES

RIO DE JANEIRO 2018

 

RESUMO

 

O Método Minnesota é um modelo de tratamento direcionado ao dependente químico com uma abordagem biopsicossocial do indivíduo, sendo eficaz no combate aos principais mecanismos de defesa da doença (negação, racionalização, projeção, orgulho), que aliado à prática dos 12 passos, onde o indivíduo dentro de um processo de autoconhecimento desenvolve a prática da fé e conecta-se com um Poder Superior da sua compreensão, formam um alicerce espiritual da recuperação do dependente químico.

 

PALAVRAS-CHAVE: Método Minnesota, 12 Passos, Alicerce espiritual da recuperação.

 

INTRODUÇÃO

 

O Método Minnesota consegue melhores resultados que os modelos originais de tratamento, pois os utiliza de forma agrupada e simultânea, tendo o tipo de tratamento de internação (tratamento intensivo para quem perdeu o controle da vida) e ambulatorial (tratamento para o indivíduo que pode gerenciar sua vida, ou para pacientes recém saídos da internação); onde os pacientes têm acesso e são direcionados à prática dos 12 Passos, desenvolvendo o processo de autoconhecimento, bem como a reformulação como ser humano para serem reinseridos na sociedade, fundamentando a sua recuperação em princípios espirituais.

 

DESENVOLVIMENTO

 

O tratamento de internação do Método Minnesota é aplicado em casos onde a doença progrediu num nível de perda de controle sobre a droga, por parte do paciente, que com uma compulsão acentuada, se expõe e/ou expõe os outros à situações de riscos de morte, gerando drásticas conseqüências, como a prática de crimes, overdose, tentativa de homicídio, tentativa de suicídio, dentre outros; tornando seu convívio em sociedade inviável. Dentro da internação o paciente consegue obter um tratamento mais intensivo e eficaz, pois a mesma além de salvar a sua vida, aumenta a sua qualidade e propicia a reformulação do indivíduo através de uma rotina pautada em tarefas diárias, por escrito (dentre elas o trabalho com os 12 Passos de AA/NA), conectando o paciente com a realidade da sua doença (física: compulsão, mental: obsessão, espiritual: egocentrismo, progressiva, incurável, e fatal; e que possui 3 fins: prisão, instituição e morte), tratando da sua abstinência, possibilitando a sua reformulação e ajudando na sua agregação.

 

O tratamento ambulatorial é uma abordagem aplicada somente por profissionais capacitados em casos de pacientes que já se encontram abstinentes, fora da compulsão e estão motivados para o tratamento; ou em casos de pós internação onde o paciente é direcionado a realizar uma programação diária de recuperação, focando nas seguintes áreas no seu primeiro ano limpo (dependência química, família, emprego, educacional, lazer, financeira, legal, moradia, espiritual, emocional/ psicológica, saúde, física, e sexual) e respeitando algumas normas (frequência regular aos grupos de mútua ajuda AA/NA; possibilidade de desligamento em caso de estar sobre o efeito de drogas, sendo impedido de participar da sessão e sendo marcada uma nova entrevista para reavaliação; 3 faltas sem aviso prévio indicam abandono de tratamento; submissão às normas de regimento interno da instituição.

 

O trabalho de 12 Passos fundamenta a recuperação dos pacientes em princípios espirituais que possibilitam um processo de autoconhecimento, a crença num Poder Superior, a confiança em outro ser humano, a reformulação de hábitos saudáveis, o exercício do perdão, a prática da responsabilidade, e o desfrute da liberdade espiritual.

 

CONCLUSÃO

 

Enfim, o alicerce espiritual do dependente químico é pautado no Método Minnesota, dentro dos seus tipos de tratamento (internação e ambulatorial); e na prática dos 12 Passos de AA e NA ; sendo os de Narcóticos Anônimos os listados abaixo com seus respectivos princípios espirituais.

 

  • . Admitimos que éramos impotentes perante a nossa adicção, que nossas vidas tinham se tornado incontroláveis. Princípios Espirituais: honestidade, mente aberta, boa vontade, humildade, e aceitação.

 

  • . Viemos a acreditar que um Poder maior do que nos poderia devolver-nos à Princípios Espirituais: mente aberta, boa vontade, fé, confiança, e humildade.

 

  • . Decidimos entregar nossa vontade e nossas vidas aos cuidados de Deus, da maneira como nós O compreendíamos. Princípios Espirituais: rendição e boa vontade, esperança, fé, confiança, e compromisso.

 

  • . Fizemos um profundo e destemido inventário moral de nós mesmos.

 

Princípios Espirituais: honestidade, mente aberta, boa vontade, humildade, aceitação, fé, confiança, rendição, esperança, e compromisso.

 

  • . Admitimos a Deus, a nós mesmos e a outro ser humano a natureza exata das nossas falhas. Princípios Espirituais: confiança, coragem, honestidade consigo mesmo, e comprometimento.

 

  • . Prontificamo-nos inteiramente a deixar que Deus removesse todos esses defeitos de caráter. Princípios Espirituais: comprometimento, perseverança, boa vontade, fé, confiança, e auto-aceitação.
  • . Humildemente pedimos a Ele que removesse nossos defeitos. Princípios

 

Espirituais: rendição num nível mais profundo, confiança, fé, paciência, e humildade.

 

  • . Fizemos uma lista de todas as pessoas que tínhamos prejudicado e nos dispusemos a fazer reparações a todas elas. Princípios Espirituais: honestidade, coragem, boa vontade, e compaixão.

 

  • . Fizemos reparações diretas a tais pessoas, sempre que possível, exceto quando fazê-lo pudesse prejudicá-las ou a outras. Princípios Espirituais: humildade, amor, e perdão.

 

  • 10º. Continuamos fazendo o inventário pessoal e, quando estávamos errados, nós o admitíamos prontamente. Princípios Espirituais: autodisciplina, honestidade, e integridade.

 

  • 11º. Procuramos, através de prece e meditação, melhorar o nosso contato consciente com Deus, da maneira como nós O compreendíamos, rogando apenas o conhecimento da Sua vontade em relação a nós e o poder de realizar essa vontade. Princípios Espirituais: comprometimento, humildade, coragem, e fé.

 

  • 12º. Tendo experimentado um despertar espiritual, como resultado destes passos, procuramos levar esta mensagem a outros adictos e praticar estes princípios em todas as nossas atividades. Princípios Espirituais: amor incondicional, abnegação, e perseverança.

 

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

 

  • Narcotics Anonymous / Narcóticos Anônimos – Tradução da Quinta Edição do livro NARCOTICS ANONYMOUS – NAWS, Inc., 1993. Narcotics Anonymous World Services, Inc. Chatswhorth, California.

 

  • Slaying the Dragon – The History of Addiction Treatment and Recovery in America” – William White, 1998, 4ª Edição. A Chestnut Health Systems Publication.

 

  • The Evolution of the Multidisciplinary Approach to Addiction Recovery – The Minnesota Model” – Jerry Spicer, 1993. Hazelden Foundation

 

Guia para Trabalhar os Passos de Narcóticos Anônimos – NAWS, Inc., 2005. Narcotics Anonymous World Services, Inc. Chatswhort