FÁBIO AUGUSTO FERREIRA MARQUES

 

RESUMO

 

Na abordagem do tema sexualidade, é importante estar entendendo as transformações ao longo do tempo, traçando uma relação cultural, e respeitando os fatores psicossociais; bem como as características biológicas, a busca pela afirmação de cada indivíduo como ser único; e considerando sempre criar uma relação harmônica de indivíduos com diferentes formas de pensar, sentir, e agir; e buscar o máximo de informação possível.

 

PALAVRAS-CHAVES: Sexualidade, Entendendo as Transformações, Indivíduos, informação.

 

INTRODUÇÃO

 

No século XIX ocorria uma repressão das práticas sexuais, onde a mulher era submissa, o sexo era para procriação (fecundação) e a vida familiar era valorizada; no século XX houve algumas conquistas femininas, com papéis de gêneros melhor definidos, e liberdade sexual acompanhada por mudanças socioculturais; no século XXI, graças a busca por maiores informações, ocorre uma consciência mais clara do seu próprio corpo por parte do individuo, gerando liberação sexual e várias formas de casais.

 

DESENVOLVIMENTO

 

Em virtude das transformações ocorridas ao longo dos séculos no que diz respeito à sexualidade, são fundamentais para a prevenção de doenças sexualmente transmissíveis ou gravidez indesejada, métodos anticoncepcionais, como: diafragma, anel vaginal, vasectomia, ligadura tubária, pílula contraceptiva, implante contraceptivo, injeção anticoncepcional, dispositivo intra-uterino (DIU), preservativo feminino e masculino, e adesivo anticoncepcional.

 

Dentre as doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) estão: a sífilis (doença infecciosa e contagiosa, produzida pela bactéria Treponema Pallidium, e transmitida, sobretudo por contato sexual ou sangue contaminado, atingindo diversos órgãos quando não tratada); a herpes (doença contagiosa causada pelo vírus Herpes Simplex 1: HSV1 e Herpes Simplex 2: HSV2, sendo caracterizada pelo aparecimento de pequenas bolhas vesiculares, que afetam principalmente os lábios e a região genital, ou qualquer outra parte do corpo); a gonorréia (doença infecciosa causada pela bactéria Neisseria gonorrhoeae, sendo transmitida através do contato sexual anal, oral, e vaginal, produzindo significados negativos para saúde do homem e da mulher); e a síndrome da imunodeficiência adquirida, a AIDS (doença crônica de potencial fatal, causada pelo vírus HIV, sendo transmitida por relação sexual, transfusão de sangue, compartilhamento de agulhas, e podendo passar para o feto durante a gravidez.

 

Com relação às práticas sexuais vale salientar as parafilias (fantasias ou comportamentos frequentes, intensos e sexualmente estimulantes que envolvem objetos inanimados, crianças ou adultos sem consentimento, ou com sofrimento/humilhação de si próprio ou do parceiro): voyeurismo (obtenção de prazer sexual através da observação do ato sexual ou da nudez de outras pessoas, sem que essas percebam), exibicionismo (obtenção de prazer ao exibir órgãos sexuais e observar a reação de espanto das pessoas desprevenidas), fetichismo (admiração exagerada por uma pessoa ou coisa), frotteurismo (excitação sexual pela fricção dos órgãos genitais em outras pessoas sem o consentimento das mesmas), sadomasoquismo (prazer sexual na dor proporcionada pelo sádico e sentida pelo masoquista), pedofilia (predileção sexual por crianças, geralmente pré púberes ou no início da puberdade), zoofilia (atração ou envolvimento sexual de humanos com animais); e a compulsão sexual, que é caracterizada por fantasias e comportamentos sexuais, como masturbação excessiva, uso exagerado de pornografia, múltiplos parceiros sexuais ocasionais, que interferem negativamente no cotidiano.

 

CONCLUSÃO

 

A compulsão sexual ocorre quando nos últimos 12 meses é muito frequente em pelo menos 3 dos seguintes aspectos (critérios diagnósticos – Goodman):

 

  • Tolerância (entrega à praticas sexuais cada vez mais intensas e freqüentes para se obter a mesma satisfação que havia no inicio do quadro);

 

  • Abstinência (mal estar físico/psicológico ao reduzir ou evitar o sexo);

 

  • Ocupa-se (dedicação cada vez maior em tempo e intensidade com atividade sexual com outras pessoas ou masturbação);

 

  • Fracasso (falha ao tentar controlar o comportamento sexual);

 

  • Gasta (muito tempo e energia gastos buscando o sexo);

 

  • Começa (ocupação com sexo em detrimento de estar trabalhando/produzindo ou com entes queridos);

 

  • Continua (continuação do comportamento sexual mesmo com a percepção de estar se prejudicando)

 

Nesses casos sugere-se o tratamento nos grupos de mútua ajuda dos Dependentes de Amor e Sexo Anônimos (D.A.S.A.) que é uma irmandade baseada nos 12 passos de Alcoólicos Anônimos, aberta a todas as pessoas maiores de 18 anos com qualquer orientação sexual, onde todos os membros possuem um padrão obsessivo/compulsivo que afetam suas vidas de forma destrutiva, prejudicando áreas como carreira e família e culminando em falta de amor próprio. A recuperação se da na base da empatia. Sugere-se também, em alguns casos, avaliação psiquiátrica/psicológica, tratamento medicamentoso, tratamento psicoterápico diário, atendimento familiar semanal, e atividade física.

 

BIBLIOGRAFIA